Ponto de Equilíbrio: O que é, benefícios, limitações…

Ponto de Equilíbrio: O que é, benefícios, limitações…

Introdução

Perceba o versículo Bíblico a seguir:

Provérbios 27: 23- “Procura conhecer o estado das tuas ovelhas; põe o teu coração sobre o gado”…

O texto diz que precisamos ser “íntimos” do trabalho que executamos, experts, ou seja, “peritos ou especialistas; pessoa cujo conhecimento excessivo a faz entender ou dominar certa área, assunto, ofício, atividade“, para tanto, uma maneira é buscar conhecimento em livros, cursos, para conhecer ferramentas que ajudem, no caso do empresário ou empreendedor, a gerir melhor seu negócio.

Saber o ponto em que uma Organização não está lucrando nem tendo prejuízo seria importante até para projetar metas. Com esta informação, o empresário pode projetar Objetivos e Metas alcançáveis, que conduzirão a Organização a uma situação de estabilidade e solidez financeira.

É importante que estes objetivos e metas estejam dentro dos parâmetros da ferramenta SMART, ou seja, que sejam: 1. Específicos; 2. Mensuráveis; 3. Alcançáveis; 4. Realizáveis; 5. Temporais, desta forma, o sucesso terá mais chances de acontecer.

Break Even Point

O “Ponto de Equilíbrio”, em inglês “Break Even Point”, com suas variações, é a ferramenta para saber este ponto de ruptura, de forma eficiente e eficaz, como uma fórmula também simples, bastando para aplicá-la, que o empresário e/ ou empreendedor, saiba os gastos fixos e variáveis da Entidade, e que tenha o seu(s) preço(s) de venda definido(s) para tanto.

1. Definição

O “Ponto de Equilíbrio”, ou, “Break Even Point”, ou simplesmente “Break-even” (lê-se breikíven) é o termo que define o momento em que um negócio não tem lucro e nem prejuízo, não há perda nem ganho, ou seja, receitas e gastos na Organização se igualam.

Teoricamente, a partir desse ponto, a empresa começaria a dar lucro e recuperar o capital investido, um balizador, portanto, conforme gráfico abaixo:

Gráfico Break Even Point
Gráfico Break Even Point

2. Conceitos do Ponto de Equilíbrio e respectivas fórmulas

O Ponto de Equilíbrio pode ser dividido em três perspectivas: 1. Ponto de Equilíbrio Contábil; 2. Ponto de Equilíbrio Econômico; 3. Ponto de Equilíbrio Financeiro, veja a seguir:

2.1. Ponto de Equilíbrio Contábil

Break Even Point

O Ponto de Equilíbrio Contábil é o que não considera o lucro mínimo exigido pelo custo de oportunidade dos investimentos feitos pelos acionistas, ou seja, um lucro mínimo que compense o investimento realizado.

Nem todos os gastos fixos são reembolsados, como é o caso da depreciação, que é um lançamento contábil, para o qual não há efetivamente um desembolso de dinheiro.

Desta forma, mesmo abaixo do Ponto de Equilíbrio Contábil, a empresa consegue arcar com os encargos que exigem desembolso.

Fórmula do Ponto de Equilíbrio Contábil:

PEC = GF / MC

Onde:

PEC = Ponto de Equilíbrio Contábil

GF = Gastos Fixos

MC = Margem de Contribuição

E

MC = PV – GV

Onde:

MC = Margem de Contribuição

PV = Preço de Venda

GV = Gastos Variáveis

Exemplo:

Gastos Fixos previstos: $ 7.000.000,00/ ano

Preço de Venda: $ 15,00

Gasto Unitário Variável: $ 10,00

PEC = $ 7.000.000,00/ ($ 15,00 – $ 10,00) = 1.400.000 unidades do produto/ ano, ou, $ 21.000.000,00 em vendas totais/ ano: 1.400.000 unidades x $ 15,00 (preço de venda).

Portanto: Para que não haja lucro nem prejuízo no exemplo, terá que se vender 1.400.000 unidades/ ano do produto, ou alcançar receita de $ 21.000.000,00 em vendas/ ano.

2.2. Ponto de Equilíbrio Econômico

Para o cálculo do Ponto de Equilíbrio Econômico, devemos adicionar aos gastos fixos, o lucro mínimo exigido pelos acionistas.

Fórmula do Ponto de Equilíbrio Econômico:

PEE = (GF + LE) / MC

Onde:

PEE = Ponto de Equilíbrio Econômico

GF = Gastos Fixos

LE = Lucro Exigido

MC = Margem de Contribuição

Exemplo:

Gastos Fixos previstos: $ 7.000.000,00/ ano

Preço de Venda: $ 15,00

Gasto Unitário Variável: $ 10,00

Lucro Mínimo exigido: $ 1.200.000

PEE = ($ 7.000.000,00 + 1.200.000,00)/ ($ 15,00 – $ 10,00) = 1.640.000 unidades/ ano ou $ 24.600.000,00 em vendas totais/ ano: 1.640.000 unidades x $ 15,00 (preço de venda).

Portanto: Para que haja quitação dos gastos totais e remuneração mínima exigida pelos sócios, terá que se vender 1.640.000 unidades do produto por ano, ou, alcançar a receita mínima de $ 24.600.000,00 em vendas no ano.

2.3. Ponto de Equilíbrio Financeiro

No cálculo do Ponto de Equilíbrio Financeiro, deduzimos dos gastos fixos, ou seja, subtraímos deles, os valores não desembolsáveis, como as depreciações, por exemplo.

Fórmula do Ponto de Equilíbrio Financeiro:

PEF = (GF – Vñd) / MC

Onde:

PEE = Ponto de Equilíbrio Econômico

GF = Gastos Fixos

Vñd = Valores não desembolsáveis

MC = Margem de Contribuição

Exemplo:

Gastos Fixos previstos: $ 7.000.000,00

Preço de Venda: $ 15,00

Gasto Unitário Variável: $ 10,00

Valores não desembolsados: $ 1.000.000,00

PEF = ($ 7.000.000,00 – $ 1.000.000,00) / ($ 15,00 – $ 10,00) = 1.200.000 unidades/ ano ou $ 18.000.000,00 em vendas totais/ ano: 1.200.000 unidades x $ 15,00 (preço de venda).

Portanto: Para que haja quitação dos gastos totais sem ter em consideração os valores lançados contabilmente, mas não desembolsados de modo efetivo, basta vender 1.200.000 unidades do produto por ano, ou, alcançar receita mínima de $ 18.000.000,00 em vendas no ano.

Neste caso, vale dizer que, desta forma, a empresa estará conseguindo equilibrar-se financeiramente, mas estará com um prejuízo contábil de $ 1.000.000,00, já que, no caso de uma depreciação, que é o mais comum nestes casos, a Entidade não estará conseguindo recuperar-se da parcela “consumida” do seu Ativo Imobilizado.

Economicamente estará, além desse montante, perdendo os $ 1.200.000 do lucro mínimo exigido pelos sócios, com um prejuízo total de $ 2.200.000,00.

3. Benefícios em saber o Ponto de Equilíbrio para uma empresa

Break Even Point

Seguem alguns benefícios em saber o Ponto de Equilíbrio para uma empresa:

3.1. É um Indicador de Segurança do Negócio

O Ponto de Equilíbrio é um indicador de segurança do negócio, pois mostra o quanto é necessário vender para que as receitas se igualem aos gastos totais no empreendimento.

3.2. Pode ser usado para fixar metas mínimas no período

Por indicar o número de vendas mínimas necessárias a cada mês, pode ser usado para fixar as metas mínimas da empresa, conforme sua capacidade de produção.

3.3. Ajuda o gestor a verificar a influência em alterações dos gastos com produtos

Ajuda o gestor a verificar a influência na alteração no gasto com um produto, já que, aumentando este gasto, pela mudança no valor de compra, teria que vender mais deste mesmo produto para cobrir estes novos gastos, ou buscar outros produtos com valor compatível ao antigo.

3.4. Clareza na quantidade de produtos para prestar um serviço

Ao conhecer o Ponto de Equilíbrio, o gestor saberá qual a quantidade de produtos necessários mensais para prestar um serviço, por exemplo, desta forma, pode ser assertivo nas quantidades a adquirir, comprando de modo que não faltem, nem sobrem. Preciso confeccionar 70 camisas por mês, uso 10 metros de tecido para tanto, como ilustração.

3.5. Ações de marketing antecipadas

O gestor pode intensificar ações antecipadas de marketing para aumentar o valor de um serviço ou produto, ao perceber que não alcançará o Ponto de Equilíbrio com os valores dos serviços que vinha praticando, de forma a convencer os clientes destas alterações nos valores e evitar perda de contratos e choques com os mesmos.

3.6. Conhecimento da capacidade máxima produtiva da equipe

Como esse indicador possibilita conhecer o número exato de vendas necessárias para cobrir os gastos fixos e variáveis do negócio, o gestor precisa saber a capacidade máxima produtiva da equipe, tendo informação como base para atuar.

Com um aumento na demanda de serviços, pode haver alteração tanto nos investimentos, como nos gastos fixos e variáveis, como mudança para um espaço maior, e contratação de mais colaboradores respectivamente, por exemplo.

3.7. Assertividade na redução de gastos

Ao conhecer o valor mínimo de vendas no mês, e, estando aquém deste valor há dois meses, por exemplo, saberá com exatidão onde economizar para suprir esta falta. Pode constatar que o valor de economia reduzindo o pró-labore é suficiente para tanto, ao passo que optar por comprar produtos mais baratos não, desta forma, fará a opção correta.

4. Limitações do Ponto de Equilíbrio

Break Even Point

A seguir, algumas limitações do Modelo:

4.1. O longo prazo

A ferramenta deve ser usada em espaços de tempo curtos, pois o modelo pressupõe uma imobilização comparativa no curto prazo, ou seja, que “as relações e as condições operacionais não se alteram no curto prazo“.

A realidade, porém, pode ser outra, já que durante um dia, causas relacionadas aos gastos e receitas podem ser alteradas, requerendo, neste caso, atenção especial, para que, em havendo mudanças nestas condições, se façam as devidas alterações nos cálculos.

4.2. Mais de um produto no portfólio

Há outra limitação no modelo: quando há mais de um produto vendido no portfólio da empresa, e estes com margens de contribuição diferentes, já que o modelo considera 01 margem de contribuição somente.

Em casos como este, podem-se usar soluções matemáticas, como trabalhar com as médias dos produtos, ou, considerar a proporção de produtos vendidos, sempre com atenção especial nas alterações nas vendas dos produtos no longo e médio prazo.

Observação importante:

É primordial usar mais de um indicador para avaliar a empresa, não muitos, para que não haja muitas informações no momento da avaliação, no máximo 07 ou 08, para uma visão ampla, e maior chance de acerto nas tomadas de decisões.

Conclusão

É de suma importância que o empresário e/ou empreendedor disponha de ferramentas de gestão para usar no negócio de modo a conduzi-lo seguramente há lugares de estabilidade.

Break Even Point

Conhecer o mínimo a produzir para igualar receitas e gastos totais no empreendimento é um balizador que ajudará o empresário e/ou empreendedor a fixar Metas realizáveis, condizentes com a realidade da Organização.

O “Ponto de Equilíbrio” com suas variações dará estas informações ao dono da Entidade de forma simples, mesmo com suas limitações.

Deste modo, é um Indicador indispensável para a boa gestão dos negócios, devendo impreterivelmente compor a relação de Indicadores dos gestores em seus empreendimentos.

O conhecimento é importante!!!

Que o SENHOR DEUS nos continue a abençoar!!!

Willian Sousa

Consultor Empresarial

Especialista em Controladoria e Finanças

Fontes de pesquisa:

  • Bíblia Sagrada;
  • IUDÍCIBUS, Sérgio de; MARION, José Carlos. Curso de Contabilidade para não Contadores. 5ª. Edição. São Paulo: Editora Atlas, 2008;
  • SEBRAE;
  • sinônimos.com.br.
Compartilhar notícia: Facebook Twitter Pinterest Google Plus StumbleUpon Reddit RSS Email

Comentários